Topo
Jamil Chade

Jamil Chade

Governo diz que já tem votos suficientes para eleição na ONU

Jamil Chade

10/10/2019 16h21

Fachada do Itamaraty, sede do Ministério das Relações Exteriores, em Brasília. (Divulgação)

 

No Brasil, o Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) se posicionou nesta quinta-feira contra a candidatura do governo de Jair Bolsonaro. Mais de cem entidades nacionais e estrangeiras também fizeram campanha contra o Itamaraty. 

 

GENEBRA – Membros do governo brasileiro já dão como certa a eleição do Brasil para mais um mandato no Conselho de Direitos Humanos da ONU, a partir de 2020. Nesta quinta-feira, diplomatas em Brasília e Nova Iorque calculavam que o país teria indicações positivas vindas de mais de 97 países, número "mágico" para ser eleito.

A escolha ocorre na próxima terça-feira na Assembleia Geral. Um resultado expressivo do Brasil jamais foi um problema nos governos anteriores. Sob a gestão de Lula, o País chegou a ter mais de 180 votos, entre os 194 possíveis. No governo Temer, foram mais de 120 votos a favor.

Agora, com uma forte reação anti-Bolsonaro, o temor era de que a corrida por votos não resultasse em um número suficiente de apoios para o Brasil ser eleito.

Nos últimos dias, o governo negociou a troca de votos e ofereceu o apoio do Brasil a países que também buscam se eleger em outras eleições internacionais. Ou seja, o motivo dos votos não tem uma relação com os direitos humanos. Mas sim com arranjos políticos feitos nos bastidores.

Além do Brasil, concorrem às duas vagas no Conselho da ONU mais dois países: Costa Rica e Venezuela. A entrada do país centro-americano na corrida tinha como objetivo deslocar Caracas e impedir a eleição de Nicolas Maduro, acusado pela própria cúpula da ONU por repressão e violações aos direitos humanos.

Mas o temor do Itamaraty era de que a Costa Rica acabasse roubando votos do Brasil. Por semanas, Brasília fez o que pode para barrar o pleito dos centro-americanos.

Se o governo da a eleição como uma certeza, a oposição interna contra a campanha do Brasil ganhou uma nova força nesta quinta-feira.

No Brasil, o Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) "deliberou, por maioria de votos, posicionamento contrário à candidatura do Brasil ao Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas – ONU".

"A decisão ocorreu em votação plenária durante a 52ª Reunião Ordinária, com nove votos contra a candidatura do Brasil, quatro a favor e duas abstenções, em um total de 15 votos válido", apontou a entidade em um comunicado.

O blog já havia revelado com um grupo de mais de cem entidades nacionais e internacionais se opôs à eleição do Brasil, alegando que o governo de Jair Bolsonaro não tinha condições de defender temas de direitos humanos na ONU.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Com viagens a mais de 70 países, Jamil Chade percorreu trilhas e cruzou fronteiras com refugiados e imigrantes, visitou acampamentos da ONU na África e no Oriente Médio e entrevistou heróis e criminosos de guerra.Correspondente na Europa há duas décadas, Chade entrou na lista dos 50 jornalistas mais admirados do Brasil (Jornalistas&Cia e Maxpress) em 2015 e foi eleito melhor correspondente brasileiro no exterior em duas ocasiões (Prêmio Comunique-se). De seu escritório dentro da sede das Nações Unidas, em Genebra, acompanhou algumas das principais negociações de paz do atual século e percorre diariamente corredores que são verdadeiras testemunhas da história. Em sua trajetória, viajou com dois papas, revelou escândalos de corrupção no esporte, acompanhou o secretário-geral da ONU pela África e cobriu quatro Copas do Mundo. O jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparencia Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti.

Sobre o blog

Afinal, onde começam os Direitos Humanos? Em pequenos lugares, perto de casa — tão perto e tão pequenos que eles não podem ser vistos em qualquer mapa do mundo. No entanto, estes são o mundo do indivíduo; a vizinhança em que ele vive; a escola ou universidade que ele frequenta; a fábrica, quinta ou escritório em que ele trabalha. Tais são os lugares onde cada homem, mulher e criança procura igualdade de justiça, igualdade de oportunidade, igualdade de dignidade sem discriminação. A menos que esses direitos tenham significado aí, eles terão pouco significado em qualquer outro lugar. Sem a ação organizada do cidadão para defender esses direitos perto de casa, nós procuraremos em vão pelo progresso no mundo maior. (Eleanor Roosevelt)