Topo
Jamil Chade

Jamil Chade

Brasil e Cuba roubam a cena e protagonizam troca de ofensas na ONU

Jamil Chade

27/09/2019 06h19

 

GENEBRA – Se no mundo diplomático cada palavra conta e é pesada, uma troca de farpas entre a delegação do Brasil e de Cuba nesta sexta-feira na ONU revelou o profundo mal-estar que existe entre os dois países latino-americanos. Brasília e Havana protagonizaram um momento de tensão no último dia das reuniões do Conselho de Direitos Humanos, com acusações mútuas, sarcasmo sobre a situação recíproca e alertas.

Tudo começou na quinta-feira, quando o governo brasileiro decidiu provocar Cuba. O Itamaraty optou por se abster em uma resolução que tradicionalmente apoiava e que, de fato, não vê problemas com seu conteúdo. Mas a mudança de voto ocorreu por o texto estar sendo proposto por Cuba. Brasília alegou que Havana não tinha "legitimidade" para falar na promoção de uma ordem internacionais mais democrática e equitativa.

Num discurso pouco habitual na ONU, o governo de Cuba tomou a palavra nesta sexta-feira no Conselho de Direitos Humanos para responder e atacar o presidente Jair Bolsonaro.

A troca de farpas roubou a cena na reunião nesta sexta-feira. O tom dos discursos fugiu da praxe diplomática. "No nosso meio, foi o equivalente a tirar as luvas", ironizou um delegado estrangeiro.

Pedro Luis Pedroso, o embaixador de Cuba na ONU, respondeu de forma dura. "Quem é o Brasil para determinar a autoridade moral e política de Cuba?", questionou. "De que legitimidade fala um governo cujo presidente tem saudades dos tempos da ditadura militar e é o líder da desigualdade em seu próprio país", afirmou.

"Antes de questionar a outros, deveriam se ocupar da corrupção no sistema judicial e governo e para, com toda a urgência, a destruição na Amazônia", disse.

Segundo ele, Bolsonaro chegou ao poder "como resultado de uma escandalosa manipulação do sistema judicial desse país, que permitiu colocar na cadeia de forma injusta ao ex-presidente Lula, sem demonstrar acusação, e de tirar de forma ilegítima Dilma Rousseff da presidência".

"A legitimidade de Cuba é dada por 60 anos de revolução socialista. Sim, socialista. Democrática, independente e soberana", afirmou, numa referência aos ataques feitos por Bolsonaro contra o socialismo em seu discurso em Nova Iorque.

Ele ainda alfinetou o Itamaraty, ao relembrar que, na ONU, o governo tem atuado sob instruções do governo de Donald Trump. "Falamos com voz própria nesse conselho, e não repetir as mensagens que alguns os enviam de Washington", afirmou.

Ao terminar sua fala, o embaixador foi assediado por outras delegações que vieram o felicitar, "Eu não queria ter dito isso. Mas não podíamos ficar em silêncio", justificou o cubano a uma delegação europeia.

Resposta

A embaixadora do Brasil na ONU, Maria Nazareth Farani Azevedo, decidiu não deixar o comentário sem resposta. Horas depois, pediu a palavra para, uma vez mais, atacar Cuba. "Como que alguém pode promover uma ordem democrática internacional sem ser uma democracia?", perguntou a diplomata, que no início do ano já havia protagonizado um bate boca com Jean Wyllys, também na ONU.

Por sua atuação, ela recebeu um telefonema do próprio Bolsonaro para agradece-la.

Agora, ela acusou o embaixador cubano de ter sido "virulento" em sua intervenção. "O Brasil é uma democracia. E ponto", disse. "Vou reagir com serenidade e fatos. Democracia é um sistema em que, com liberdade, pluralismo e transparência, cidadãos são livres para expressar suas preferencias políticas. Diferentemente do país que acusa o Brasil, no meu país, dissidência e críticas não são recebidas com prisão ou exílio. No meu país, cidadão podem escolher para quem trabalham. E não são separados de suas famílias e seus salários são realmente deles", disse, numa alusão ao Mais Médico.

A embaixadora ainda citou a existência de eleições livres, multilpartidarismo e liberdade de imprensa. "No meu país, as pessoas foram às urnas no ano passado e elegeram Bolsonaro com mais de 57 milhões de votos, num processo transparente e competitivo", disse.

Ela também deu uma resposta sobre a acusação relacionada com Lula. A embaixadora lembrou que o Judiciário é independente e que responsáveis por crimes são julgados em "processos justos". "No Brasil, estamos lutando contra corrupção e ninguém está acima da lei", insistiu. "Sim, o Brasil tem as credenciais para questionar a legitimidade de Cuba", completou.

Retrucado

Neste caso, foi Cuba quem decidiu não deixar a brasileira ter a última palavra e qualificou seu discurso de "despropósito".

Para Havana, Brasília busca "intoxicar" o Conselho de Direitos Humanos. "Reitero nosso rechaço. O governo do Brasil não tem a legitimidade e nem a autoridade moral para questionar nenhum outro país. Antes de questionar, deveria respeitar os direitos dos povos indígenas", alegou a delegação.

Os cubanos lembraram que o governo de Bolsonaro "não reconhece as mudanças climáticas", que deixou o Pacto de Migração, que ataca publicamente Bachelet e sua família, e que fala "com orgulho de uma das ditaduras mais sangrentas do Cone Sul".

"Não falo mais. Vocês verão quem tem legitimidade para falar de direitos humanos", completou.

Votos

Apesar da intercâmbio de ataques, o que surpreendeu delegações foi o fato de o Itamaraty ter decidiu modificar seus votos na ONU. A atitude chamou a atenção de diplomacias de outras regiões, acostumadas a ver o Brasil adotando posturas de princípio e evitando politizar o debate sobre os direitos humanos. A mudança de votos é um reflexo direto da contaminação ideológica da política externa brasileira, que passou a ver o "socialismo" como uma ameaça.

No Conselho de Direitos Humanos da ONU, três resoluções diferentes foram propostas por Havana, o que já é uma tradição no organismo internacional.

Na primeira delas, Cuba liderava um grupo que pedia para que a ONU tivesse, entre seus funcionários, cidadãos de todo o mundo, e não apenas de países ricos. O Brasil, porém, se absteve. A resolução, ainda assim, foi aprovada com ampla margem de vantagem.

Horas depois, uma vez mais Cuba lideraria uma outra resolução, desta vez pela promoção de uma "ordem democrática e equitativa". E, uma vez mais, o Brasil optou por se abster.

Momentos depois, Cuba apresentaria uma resolução tradicional que condena abusos de direitos humanos por parte de mercenários, além de alertar para os riscos desses grupos ao princípio da autodeterminação.

O Brasil, mantendo a nova lógica, abandonou sua posição tradicional de apoiar o texto – algo que havia feito por anos – para se abster diante da proposta. A resolução, assim como todas as demais, foi aprovada.

A recusa do governo em apoiar textos propostos por Cuba ocorre dias depois que o presidente Jair Bolsonaro usou seu discurso na Assembleia Geral da ONU para fustigar o regime de Havana e até alertar que o governo da ilha teria enviado agentes ao país nos anos 60. Donald Trump, que discursou minutos depois de Bolsonaro, também atacou Cuba.

Para observadores, a atitude do Brasil vai na direcção contrária ao mantra da diplomacia brasileira de combater e criticar abertamente a politização dos debates sobre direitos humanos. Ao longo de anos, essa posição brasileira era considerada como um "ativo" do Itamaraty para poder dialogar com diferentes partes num conflito.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Com viagens a mais de 70 países, Jamil Chade percorreu trilhas e cruzou fronteiras com refugiados e imigrantes, visitou acampamentos da ONU na África e no Oriente Médio e entrevistou heróis e criminosos de guerra.Correspondente na Europa há duas décadas, Chade entrou na lista dos 50 jornalistas mais admirados do Brasil (Jornalistas&Cia e Maxpress) em 2015 e foi eleito melhor correspondente brasileiro no exterior em duas ocasiões (Prêmio Comunique-se). De seu escritório dentro da sede das Nações Unidas, em Genebra, acompanhou algumas das principais negociações de paz do atual século e percorre diariamente corredores que são verdadeiras testemunhas da história. Em sua trajetória, viajou com dois papas, revelou escândalos de corrupção no esporte, acompanhou o secretário-geral da ONU pela África e cobriu quatro Copas do Mundo. O jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparencia Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti.

Sobre o blog

Afinal, onde começam os Direitos Humanos? Em pequenos lugares, perto de casa — tão perto e tão pequenos que eles não podem ser vistos em qualquer mapa do mundo. No entanto, estes são o mundo do indivíduo; a vizinhança em que ele vive; a escola ou universidade que ele frequenta; a fábrica, quinta ou escritório em que ele trabalha. Tais são os lugares onde cada homem, mulher e criança procura igualdade de justiça, igualdade de oportunidade, igualdade de dignidade sem discriminação. A menos que esses direitos tenham significado aí, eles terão pouco significado em qualquer outro lugar. Sem a ação organizada do cidadão para defender esses direitos perto de casa, nós procuraremos em vão pelo progresso no mundo maior. (Eleanor Roosevelt)