Topo
Jamil Chade

Jamil Chade

Na contramão do Bolsonarismo, Igreja apela à ciência e faz mea culpa

UOL Noticias

01/09/2019 04h00

Vaticano defende aprender com povos da Amazônia, que corre o risco de atingir "ponto sem volta" com a destruição. (Alex Almeida/UOL)

 

GENEBRA – Os documentos que preparam o sínodo da Amazônia revelam uma transformação do Vaticano. Longe de serem apenas textos religiosos, os papéis e estudos usam amplamente referências científicas, justamente num momento em que governos democráticos em diferentes partes do mundo, entre eles o Brasil, embarcam num questionamento da ciência.

Num dos trechos, a Santa Sé troca as referências às passagens bíblicas por textos da National Academy of Science. Num outro ponto, ela ainda alerta que "40% de desmatamento constitui ponto de inflexão do bioma amazônico rumo à desertificação, o que significa a transição para uma nova condição biológica geralmente irreversível. Já estamos entre 15% e 20% de desmatamento", alerta.

Para a Igreja, não existem dúvidas sobre o papel do homem como ator que gera uma transformação no meio ambiente e apela por um novo modelo econômico sustentável. Na contra-mão do Bolsonarismo, as mudanças climáticas são consideradas como uma realidade, assim como o papel da Amazônia para o planeta.

O recurso à ciência ocorre num momento em que o Vaticano tenta se redefinir na Amazônia e buscar uma aproximação com povos locais.

Mea culpa

Outra constatação que se faz ao examinar os textos é a atitude do Vaticano quanto ao passado colonial na Amazônia. Depois de fazer um percorrido pelos gestos da Igreja ao longo século 20 para superar sua cumplicidade com conquistadores, o texto lembra que o papa Francisco pediu "humildemente perdão, não só pelas ofensas da própria Igreja, mas também pelos crimes contra os povos nativos durante a chamada conquista da América".

"Neste passado, às vezes a Igreja foi cúmplice dos colonizadores, sufocando a voz profética do Evangelho. Muitos dos obstáculos a una evangelização dialógica e aberta à alteridade cultural têm um cunho histórico e se escondem por detrás de certas doutrinas petrificadas", admite o texto base do sínodo.

"Abusos provocaram feridas nas comunidades e ofuscaram a mensagem da Boa Nova. O anúncio de Cristo se realizou frequentemente em conivência com os poderes que exploravam os recursos e oprimiam populações", reconhece.

Mas, agora, a Igreja considera que até tem "a oportunidade de se diferenciar das novas potências colonizadoras, ouvindo os povos amazônicos para poder exercer com transparência seu papel profético".

Aprender com povos amazônicos

Apresentando a região como uma "reserva de vida e sabedoria para o planeta", a ordem dos religiosos é a de realçar o papel das populações locais.

"Os povos amazônicos originários têm muito a ensinar-nos. Reconhecemos que desde há milhares de anos eles cuidam de sua terra, da água e da floresta, e conseguiram preservá- las até hoje a fim de que a humanidade possa beneficiar-se do usufruto dos dons gratuitos da criação de Deus", diz.

Leia também:

"Os novos caminhos de evangelização devem ser construídos em diálogo com estas sabedorias ancestrais em que se manifestam as sementes do Verbo", constata. "A Igreja quer aprender, dialogar e responder com esperança e alegria aos sinais dos tempos junto aos povos da Amazônia", promete.

Desmascarar neocolonialismo e identificar ideologia do ecocídio

Para os textos, tal cenário exige uma Igreja "com capacidade de discernimento e audácia face aos atropelos dos povos e à destruição de seus territórios, que responda sem demora ao clamor da terra e dos pobres". "É o momento de ouvir a voz da Amazônia e de responder como Igreja profética e samaritana", defende.

Entre as sugestões de ação, os documentos apontam para a necessidade de que o sínodo estabeleça formas para incentivar os religiosos na região a "desmascarar as novas formas de colonialismo presentes na Amazônia". Além disso, deveriam "identificar as novas ideologias que justificam o ecocídio amazônico".

Sugerindo uma "conversão ecológica", os textos ainda apresentam sugestões sobre como tratar os povos tradicionais para evitar a repetição dos erros do passado. "Recuperar mitos e atualizar ritos e celebrações comunitárias que contribuam significativamente para o processo de conversão ecológica", defende.

Queimadas e desmatamento: a crise na Amazônia em números

UOL Notícias

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Com viagens a mais de 70 países, Jamil Chade percorreu trilhas e cruzou fronteiras com refugiados e imigrantes, visitou acampamentos da ONU na África e no Oriente Médio e entrevistou heróis e criminosos de guerra.Correspondente na Europa há duas décadas, Chade entrou na lista dos 50 jornalistas mais admirados do Brasil (Jornalistas&Cia e Maxpress) em 2015 e foi eleito melhor correspondente brasileiro no exterior em duas ocasiões (Prêmio Comunique-se). De seu escritório dentro da sede das Nações Unidas, em Genebra, acompanhou algumas das principais negociações de paz do atual século e percorre diariamente corredores que são verdadeiras testemunhas da história. Em sua trajetória, viajou com dois papas, revelou escândalos de corrupção no esporte, acompanhou o secretário-geral da ONU pela África e cobriu quatro Copas do Mundo. O jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparencia Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti.

Sobre o blog

Afinal, onde começam os Direitos Humanos? Em pequenos lugares, perto de casa — tão perto e tão pequenos que eles não podem ser vistos em qualquer mapa do mundo. No entanto, estes são o mundo do indivíduo; a vizinhança em que ele vive; a escola ou universidade que ele frequenta; a fábrica, quinta ou escritório em que ele trabalha. Tais são os lugares onde cada homem, mulher e criança procura igualdade de justiça, igualdade de oportunidade, igualdade de dignidade sem discriminação. A menos que esses direitos tenham significado aí, eles terão pouco significado em qualquer outro lugar. Sem a ação organizada do cidadão para defender esses direitos perto de casa, nós procuraremos em vão pelo progresso no mundo maior. (Eleanor Roosevelt)