Topo
Jamil Chade

Jamil Chade

Chanceler terá de explicar posição ultraconservadora do Brasil na ONU

Jamil Chade

04/07/2019 05h07

 

 

GENEBRA – A Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados solicitou o comparecimento de Ernesto Araújo, ministro das Relações Exteriores, para que explique o veto do Brasil em diferentes resoluções da ONU de expressões como gênero, feminismo e saúde reprodutiva da mulher.

O requerimento foi aprovado e o chanceler deve comparecer no dia 7 de agosto para dar suas explicações.

O blog revelou na semana passada como, em reuniões para negociar resoluções da ONU, a diplomacia brasileira causou enorme surpresa ao se alinhar com países como a Arábia Saudita e outras ditaduras em questões relacionadas com a família e a saúde da mulher.

Termos como "igualdade de gênero" foram vetadas pelo governo, que pedia que os trechos fossem substituídos por "igualdade entre homem e mulher". Questões que pudessem dar brechas a "direito sexual" também foram vetadas, além de mais de uma dezena de ações por parte do governo para modificar termos já acordados pela comunidade internacional nos últimos anos.

A atitude do Brasil deixou delegações ocidentais indignadas. O México, por exemplo, lembrou que existem mais de 200 resoluções, textos e documentos internacionais com as referências que, hoje, o Itamaraty quer vetar. Outras delegações ainda apontaram como aceitar a posição do governo Bolsonaro representaria um retrocesso de 25 anos no debate sobre a saúde da mulher.

Numa recente reunião, enquanto o governo brasileiro se aliava a algumas das delegações mais conservadoras do mundo, a diplomacia da Noruega fazia um apelo: "vamos nos lembrar das meninas de dez anos que são obrigadas a se casar com homens de 60 anos." "É para elas que estamos aqui", comentou, num tom duro.

O requerimento para que o chanceler dê suas explicações foi de autoria das deputadas Fernanda Melchionna (Psol-RS) e Talíria Petrone (Psol-RJ). Para elas, o posicionamento "retrata o alinhamento da política externa a valores conservadores e obscurantistas".

"O que se observa é que o Ministro Ernesto Araújo está, à revelia deste Poder Legislativo e mesmo do Judiciário, conduzindo o Brasil a um alinhamento ao conjunto de países mais retrógrados do mundo, no que diz respeito sobretudo aos direitos das mulheres e da população LGBTI, e ainda colocando em risco a liderança e credibilidade internacional de nosso país. Tudo isso sob o pretexto de combater um suposto "marxismo cultural" ou "globalismo"", aponta o texto do requerimento.

Para Fernanda, a postura do governo mostra que eles acreditam que "a luta contra a discriminação e a violência à população LGBTI+ e às mulheres é uma tentativa de manipular a sociedade para que se ache normal algo que é puramente ideológico por parte da esquerda".

"Como se a visão desses moralistas da extrema-direita não fosse ideológica", criticou.

"Além disso, as manifestações dos diplomatas brasileiros na ONU, solicitando a retirada da expressão "gênero" e a frase como "vulnerabilidade à violência sexual e com base em gênero" de resoluções é uma forma de negar o machismo estrutural como uma das razões da violência contra nossas mulheres e o acúmulo de teorias da antropologia, filosofia e da sociologia que define gênero, sim, como uma construção social", declarou.

"Esse comportamento do Brasil tem deixado a maior parte das representações, de países que mantém relações diplomáticas com nosso país, estupefatos." concluiu Fernanda.

Sobre o autor

Com viagens a mais de 70 países, Jamil Chade percorreu trilhas e cruzou fronteiras com refugiados e imigrantes, visitou acampamentos da ONU na África e no Oriente Médio e entrevistou heróis e criminosos de guerra.Correspondente na Europa há duas décadas, Chade entrou na lista dos 50 jornalistas mais admirados do Brasil (Jornalistas&Cia e Maxpress) em 2015 e foi eleito melhor correspondente brasileiro no exterior em duas ocasiões (Prêmio Comunique-se). De seu escritório dentro da sede das Nações Unidas, em Genebra, acompanhou algumas das principais negociações de paz do atual século e percorre diariamente corredores que são verdadeiras testemunhas da história. Em sua trajetória, viajou com dois papas, revelou escândalos de corrupção no esporte, acompanhou o secretário-geral da ONU pela África e cobriu quatro Copas do Mundo. O jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparencia Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti.

Sobre o blog

Afinal, onde começam os Direitos Humanos? Em pequenos lugares, perto de casa — tão perto e tão pequenos que eles não podem ser vistos em qualquer mapa do mundo. No entanto, estes são o mundo do indivíduo; a vizinhança em que ele vive; a escola ou universidade que ele frequenta; a fábrica, quinta ou escritório em que ele trabalha. Tais são os lugares onde cada homem, mulher e criança procura igualdade de justiça, igualdade de oportunidade, igualdade de dignidade sem discriminação. A menos que esses direitos tenham significado aí, eles terão pouco significado em qualquer outro lugar. Sem a ação organizada do cidadão para defender esses direitos perto de casa, nós procuraremos em vão pelo progresso no mundo maior. (Eleanor Roosevelt)