Topo
Jamil Chade

Jamil Chade

Brasil sinaliza apoio a Rússia em veto ao termo “global” na ONU

Jamil Chade

28/06/2019 12h06

 

 

Conselho de Direitos Humanos da ONU, em Genebra, se reúne nesta semana para tratar de crimes e violações

 

Delegações alertam ainda que posição do Brasil ao vetar a palavra "gênero" na ONU é retrocesso de 25 anos na diplomacia internacional

 

GENEBRA – O Itamaraty acenou com a possibilidade de apoiar o governo de Vladimir Putin em seu veto ao termo "global" num projeto de resolução da ONU. Ao longo dos últimos anos, a Rússia tem liderado uma campanha pela defesa de valores tradicionais e contra a ideia de que existam ameaças ou realidades globais. Para Moscou, o que existe é uma realidade específica local e que, eventualmente, poderiam ser comum a vários países.

Nesta sexta-feira, em negociações sobre uma resolução sobre o direito à livre associação na sede da ONU em Genebra, o Kremlin pediu que o termo "desafios globais" fosse substituído por "desafios em comum". A palavra "global", portanto, teria de ser eliminada.

A delegação brasileira foi uma das poucas que indicou que poderia apoiar a proposta russa, mesmo que ainda precisasse fazer consultas. Sua eventual manutenção no texto não significaria uma recusa do Brasil em aceitar o documento final. Mas o UOL apurou que essa não é a primeira vez que a exclusão do termo "global" é apoiado pelo Brasil. Sua eliminação dependeria do contexto.

Cuba, China e Egito apoiaram os russos também. Dois deles são regimes comunistas autoritários e o terceiro uma ditadura acusada de reprimir a liberdade de expressão. Já os europeus, Canadá e Austrália mantiveram sua posição de defesa do termo "global".

No Itamaraty, uma das dimensões da política externa tem sido o questionamento ao que chamam de "globalismo". O conceito se refere supostamente a um projeto político de um governo global. Na visão do governo brasileiro, tal proposta é uma afronta à soberania e às culturas nacionais.

Há poucas semanas, a chancelaria chegou a promover um seminário para debater essa vertente de pensamento. Ernesto Araújo, chanceler e discípulo de Olavo de Carvalho, tem até mesmo um blog chamado "Metapolítica 17 – Contra o Globalismo".

A votação da resolução sob debate ocorrerá apenas em julho. Com a recusa de aceitar o termo global, o Kremlin sustenta sua tese de que não existem realidades globais, mas apenas desafios que seriam comuns a todos. Na prática, mantém seu espaço soberano e evitam, sempre que necessário, aderir a princípios e padrões universais.

 

Retrocesso de 25 anos  

Nesta semana, para a perplexidade de delegações ocidentais, o Brasil vetou quase 20 menções ao termo "gênero" em resoluções da ONU, algo consensual desde a década de 90. Apoiaram o Itamaraty apenas ditaduras islâmicas como a Arábia Saudita e Bahrein. Nesta sexta-feira, em novas negociações sobre o texto de resoluções, o Itamaraty voltou a vetar o termo.

No lugar de "igualdade de gênero", o governo de Jair Bolsonaro pede que se utilize o termo "igualdade entre homens e mulheres". A ideia é de que "gênero" seria uma construção social, e não biológica.

Ao final da reunião, a delegação do México, que presidia as consultas, deixou claro que as propostas do Brasil não seriam aceitas pelos autores do texto original. Ao descrever a negociação, o diplomata mexicano apontou que tentaria atender às sensibilidades dos governos ao desenhar um novo rascunho do texto.

Mas alertou que o que havia ocorrido na sala por conta da atitude do Brasil não era algo que estava previsto. Segundo ele, o que a proposta brasileira quer é reabrir conceitos "que a comunidade internacional já tinha concordado há anos, como gênero".

"Temos limites", alertou, apontando que essas são linguagens já acordadas antes. "Vai ser muito difícil rever", insistiu. Para ele, uma adoção da proposta brasileira significaria um retrocesso de 25 anos nos conceitos internacionais.

Segundo os autores da proposta, haveria um entendimento de que a nova resolução não faria progressos no que se refere à defesa para a mulher. Mas não se poderia aceitar retrocessos.

UE, Uruguai, Austrália, Islândia e Chile foram alguns dos países que defenderam a posição da presidência mexicana. Já o Brasil foi apoiado pela Rússia.

 

 

 

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Com viagens a mais de 70 países, Jamil Chade percorreu trilhas e cruzou fronteiras com refugiados e imigrantes, visitou acampamentos da ONU na África e no Oriente Médio e entrevistou heróis e criminosos de guerra.Correspondente na Europa há duas décadas, Chade entrou na lista dos 50 jornalistas mais admirados do Brasil (Jornalistas&Cia e Maxpress) em 2015 e foi eleito melhor correspondente brasileiro no exterior em duas ocasiões (Prêmio Comunique-se). De seu escritório dentro da sede das Nações Unidas, em Genebra, acompanhou algumas das principais negociações de paz do atual século e percorre diariamente corredores que são verdadeiras testemunhas da história. Em sua trajetória, viajou com dois papas, revelou escândalos de corrupção no esporte, acompanhou o secretário-geral da ONU pela África e cobriu quatro Copas do Mundo. O jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparencia Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti.

Sobre o blog

Afinal, onde começam os Direitos Humanos? Em pequenos lugares, perto de casa — tão perto e tão pequenos que eles não podem ser vistos em qualquer mapa do mundo. No entanto, estes são o mundo do indivíduo; a vizinhança em que ele vive; a escola ou universidade que ele frequenta; a fábrica, quinta ou escritório em que ele trabalha. Tais são os lugares onde cada homem, mulher e criança procura igualdade de justiça, igualdade de oportunidade, igualdade de dignidade sem discriminação. A menos que esses direitos tenham significado aí, eles terão pouco significado em qualquer outro lugar. Sem a ação organizada do cidadão para defender esses direitos perto de casa, nós procuraremos em vão pelo progresso no mundo maior. (Eleanor Roosevelt)