Topo
Jamil Chade

Jamil Chade

Depois de NY, franceses pressionam contra evento com governo Bolsonaro

Jamil Chade

29/05/2019 15h26

Jair Bolsonaro e Donald Trump em coletiva de imprensa na Casa Branca (REUTERS)

 

GENEBRA – Depois de Nova Iorque, agora é Paris que registra a mobilização de ongs e ativistas contra a presença de representantes do governo de Jair Bolsonaro na capital francesa. Na próxima semana, o poderoso Ministério da Economia da França sediará um evento organizado por entidades patronais para promover oportunidades de negócios no Brasil. Entre os principais convidados está o general Carlos Alberto dos Santos Cruz, ministro-chefe da Secretaria de Governo da Presidência da República.

Mas uma ação por parte de entidades francesas, brasileiras, suíças e belgas pede que o governo de Emmanuel Macron não ofereça "tapete vermelho à extrema direita do Brasil" em Bercy, nome dado ao local do Ministério da Economia, e que o evento seja cancelado.

A iniciativa está sendo liderada por entidades como Act Up-Paris, Amazon Watch, ATTAC, Centre de recherche et d'information pour le développement (CRID), Emmaüs International, France Libertés – Fondation Danielle Mitterrand, Planète Amazone e outras.

Além de um protesto formal, o grupo lançou nesta quarta-feira um abaixo-assinado e publicou uma tribuna no jornal Libération, um dos principais meios em Paris.

Há poucas semanas, foi uma ação que iniciou justamente pela sociedade civil que acabou contaminando a classe política de Nova Iorque e forçou Bolsonaro a não receber um prêmio na cidade americana. Depois de recusas de um museu e outro local para realizar o evento, o cerimónia acabou sendo realizada em Dallas.

Agora, o grupo europeu também pressiona. ""A exemplo da mobilização de cidadãs e cidadãos nova-iorquinos que obtiveram o cancelamento de uma cerimônia prevista para homenagear Jair Bolsonaro na metrópole estadunidense, manifestamo-nos contra a realização do VI Fórum Econômico França-Brasil 2019, previsto para ocorrer em 5 de junho e organizado pelo MEDEF internacional e seu parceiro brasileiro, a Confederação Nacional da Indústria (CNI), em locais do Ministério da Economia, em Bercy", anunciam.

"Façamos com que esse cancelamento seja condição prévia para a implementação de uma verdadeira política de apoio às populações ameaçadas no Brasil e de uma luta contra a extrema-direita", dizem.

"Nós, cidadãs e cidadãos franceses, franco-brasileiros e europeus, coletivos, associações e ONG, democratas brasileiras e brasileiros que vivem no Brasil ou no exílio, cidadãs e cidadãos dos Estados Unidos engajados, recusamos categoricamente a realização, nas instalações e com o apoio de um Ministério da República Francesa, de um evento incompatível com os valores da democracia", declaram.
Raoni

O grupo ainda lembra que o presidente Emmanuel Macron recebeu no Palácio do Élysée o chefe indígena Raoni e "ofereceu-lhe apoio francês para preservação da Amazônia".

Agora, segundo eles, os "convidados ao fórum são "eminentes" representantes dessas elites patronais que apoiaram no Brasil a campanha de Jair Bolsonaro bem como representantes da coalizão no poder, como o e responsável, no cargo, por gerir privatizações de empresas públicas brasileiras e "monitorar" ações de organizações da sociedade civil".

"Na página de divulgação do fórum, anunciam-se orgulhosamente às empresas francesas "oportunidades" econômicas ofertadas pelo Brasil após a chegada ao poder da extrema-direita, a qual conduz não só um programa de privatizações como procura escancarar a Amazônia para projetos industriais e extração de minérios", alertam.

"O fórum, que integra a programação oficial da Semana da América Latina e do Caribe na França, organizada pelo Ministério da Europa e das Relações Exteriores, contará com a participação da Secretária de Estado junto ao Ministro da Economia, Agnès Pannier-Runacher", apontam.

"O governo Bolsonaro e seus aliados de extrema direita defendem um projeto de criminalização dos movimentos sociais e de exclusão das minorias, de desmonte generalizado das políticas de proteção ambiental e de destruição dos direitos dos povos indígenas. Sua ideologia assenta-se em teses racistas, homofóbicas, misóginas e conspiratórias, incompatíveis com valores democráticos", atacam.

"Tal encontro representa uma forma de especulação sobre o colapso da democracia no Brasil, sobre a destruição da floresta amazônica e sobre a violação repetida dos direitos das populações indígenas. Ele contraria posições oficiais do Estado francês sobre questões democráticas, sociais e ambientais com as que se deparam atualmente os brasileiros", insistem.

Sobre o autor

Com viagens a mais de 70 países, Jamil Chade percorreu trilhas e cruzou fronteiras com refugiados e imigrantes, visitou acampamentos da ONU na África e no Oriente Médio e entrevistou heróis e criminosos de guerra.Correspondente na Europa há duas décadas, Chade entrou na lista dos 50 jornalistas mais admirados do Brasil (Jornalistas&Cia e Maxpress) em 2015 e foi eleito melhor correspondente brasileiro no exterior em duas ocasiões (Prêmio Comunique-se). De seu escritório dentro da sede das Nações Unidas, em Genebra, acompanhou algumas das principais negociações de paz do atual século e percorre diariamente corredores que são verdadeiras testemunhas da história. Em sua trajetória, viajou com dois papas, revelou escândalos de corrupção no esporte, acompanhou o secretário-geral da ONU pela África e cobriu quatro Copas do Mundo. O jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparencia Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti.

Sobre o blog

Afinal, onde começam os Direitos Humanos? Em pequenos lugares, perto de casa — tão perto e tão pequenos que eles não podem ser vistos em qualquer mapa do mundo. No entanto, estes são o mundo do indivíduo; a vizinhança em que ele vive; a escola ou universidade que ele frequenta; a fábrica, quinta ou escritório em que ele trabalha. Tais são os lugares onde cada homem, mulher e criança procura igualdade de justiça, igualdade de oportunidade, igualdade de dignidade sem discriminação. A menos que esses direitos tenham significado aí, eles terão pouco significado em qualquer outro lugar. Sem a ação organizada do cidadão para defender esses direitos perto de casa, nós procuraremos em vão pelo progresso no mundo maior. (Eleanor Roosevelt)