PUBLICIDADE
Topo

Jamil Chade

Brasil perde espaço entre os maiores exportadores do mundo

Jamil Chade

02/04/2019 07h00

Roberto Azevedo, diretor-geral da OMC

Diante de tensão, OMC revê para baixo previsão de expansão do comércio mundial em 2019 e alerta para riscos de guerra comercial. 
GENEBRA – O Brasil continua a perder espaço entre os maiores exportadores do mundo. Dados da Organização Mundial do Comércio (OMC) revelam que, mesmo com um aumento de vendas, o Brasil caiu da 26a posição para o 27o lugar entre os maiores exportadores do mundo em 2018. Entre os importadores, o País passou da 29o para a 28o posição.

As estimativas é de que, em alguns setores, a guerra comercial entre americanos e chineses beneficiou o Brasil. Em vendas, portanto, o País registrou um aumento de 10% em 2018, também ajudado pela expansão dos preços de commodities. A taxa de crescimento no País ficou dentro da média mundial, que também registrou uma expansão em valores de 10% em 2018.

No total, o Brasil exportou US$ 240 bilhões e viu um aumento de 35% de suas vendas para a China. Em grande parte, essa venda foi composta pela soja, substituindo o produto americano.

Mas, ainda assim, o Brasil caiu no ranking e foi superado pelo Vietnã, além de Malásia, Arábia Saudita e outras economias.

Em termos de participação no mercado internacional, o Brasil manteve uma fatia de 1,2%, a mesma taxa estagnada desde 2016. Hoje, Polônia, Austrália ou Tailândia já exportam mais que o Brasil ao mundo.  O País, que chegou a ser o 22º maior exportador do mundo, previa estar entre os 20 primeiros no ranking internacional,  que nunca ocorreu.

Nessa classificação da OMC, a líder é a China, com US$ 2,4 trilhões em vendas em 2018. Os americanos aparecem com US$ 1,6 trilhão.

Na avaliação do diretor-geral da OMC, Roberto Azevedo, os resultados mostram que o Brasil precisa ter uma "maior participação e maior integração na economia mundial". Sua sugestão é de que as empresas nacionais não pensem apenas no mercado doméstico, mas também no mercado internacional.

Em volumes, as exportações brasileiras seguem crescendo, com aumento de 4,7% em 2018 – ainda que abaixo do crescimento de 6,9% de 2017.

Importação –  Já o fim da recessão no Brasil permitiu, de fato, que as importações voltassem a aumentar, depois de três anos de contração nas compras de bens estrangeiros. No ano passado, elas aumentaram em 19,8%, atingindo US$ 189 bilhões. Para os economistas da OMC, a recuperação do comércio tem uma relação direta com o comportamento da economia e o aumento das compras seria mais um sinal do fim da recessão.

A taxa de expansão em valores de quase 20% é duas vezes maior que a média mundial, permitindo que o Brasil se posicione na 28a colocação .

Em volume, o crescimento de importações foi de mais de 11%, taxa duas vezes maior que o restante da América do Sul.

Em 2016, a recessão no Brasil levou o País a sofrer a maior queda de importações entre as grandes economias do mundo. A contração, segundo a OMC, já havia começado em 2014 e 2015.

Em 2016, a queda foi de quase 20% nas importações, bem acima da média de uma redução de 3% no mundo. O resultado, de US$ 143 bilhões, levou o Brasil a despencar no ranking dos maiores importadores. Em 2013 e 2014, o Brasil aparecia na 21a posição entre as economias que mais importavam. Ao final de 2016, o País estava na 28ª posição, superado até mesmo pela pequena economia da Áustria.

Queda – Para 2019, a OMC estima que a guerra comercial lançada por Donald Trump terá seu impacto no fluxo de comércio. A estimativa em abril de 2018 era de que, para este ano, a expansão fosse de 4%. Em setembro, ela já havia sido revista para 3,7%. Agora, a nova previsão é de apenas 2,6%

A taxa é inferior à média de 3% em 2018, um ano já considerado como ruim para o comércio. A previsão para 2019 significa um crescimento uma redução pela metade da taxa de 2017, quando a expansão foi de 4,6%.

Uma volta do crescimento apenas ocorreria em 2020 e, mesmo assim, com uma expansão pequena de 3%. "Com a tensão elevada no comércio, ninguém deveria estar surpreso por essa previsão", declarou Roberto Azevedo, diretor-geral da OMC, que cita ainda o "alto nível de incerteza".

Sua avaliação é de que as tensões comerciais representam o maior risco para essa previsão. Já em fevereiro, os dados mensais do comércio apontaram para o pior resultado em nove anos. "Não estamos em boa forma. Se a tensão continuar, isso pode afetar ainda mais o comércio", alertou.

Azevedo admite que grande parte da tensão vem do confronto entre China e EUA, que aplicaram tarifas mútuas no valor de US$ 350 bilhões. Em todo mundo, as barreiras atingiram US$ 481 bilhões, seis vezes o volume registrado um ano antes.

Novas tarifas sobre carros e o Brexit podem elevar ainda mais a tensão. "Não acho que haverá um ganhador e um perdedor. Teremos muitos perdedores. Podemos ter ganhadores setoriais. Mas o resultado liquido para consumidores e para a comunidade internacional é negativo", alertou.

O caminho para superar a crise dependente do fortalecimento da OMC. "É cada vez mais urgente que possamos resolver as tensões e focar em desenhar um caminho positivo para o comércio internacional que possa responder aos desafios reais da economia de hoje, como a revolução tecnológica", declarou o brasileiro.

Para Azevedo, o enfraquecimento do sistema de regras seria um "erro histórico", com repercussão para empregos, crescimento e a estabilidade para o mundo.

Em 2018, além da guerra comercial, a fragilidade da demanda de importação da Europa e Asia também explicam os resultados fracos.

Sobre o autor

Com viagens a mais de 70 países, Jamil Chade percorreu trilhas e cruzou fronteiras com refugiados e imigrantes, visitou acampamentos da ONU na África e no Oriente Médio e entrevistou heróis e criminosos de guerra.Correspondente na Europa há duas décadas, Chade entrou na lista dos 50 jornalistas mais admirados do Brasil (Jornalistas&Cia e Maxpress) em 2015 e foi eleito melhor correspondente brasileiro no exterior em duas ocasiões (Prêmio Comunique-se). De seu escritório dentro da sede das Nações Unidas, em Genebra, acompanhou algumas das principais negociações de paz do atual século e percorre diariamente corredores que são verdadeiras testemunhas da história. Em sua trajetória, viajou com dois papas, revelou escândalos de corrupção no esporte, acompanhou o secretário-geral da ONU pela África e cobriu quatro Copas do Mundo. O jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparencia Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti.

Sobre o blog

Afinal, onde começam os Direitos Humanos? Em pequenos lugares, perto de casa — tão perto e tão pequenos que eles não podem ser vistos em qualquer mapa do mundo. No entanto, estes são o mundo do indivíduo; a vizinhança em que ele vive; a escola ou universidade que ele frequenta; a fábrica, quinta ou escritório em que ele trabalha. Tais são os lugares onde cada homem, mulher e criança procura igualdade de justiça, igualdade de oportunidade, igualdade de dignidade sem discriminação. A menos que esses direitos tenham significado aí, eles terão pouco significado em qualquer outro lugar. Sem a ação organizada do cidadão para defender esses direitos perto de casa, nós procuraremos em vão pelo progresso no mundo maior. (Eleanor Roosevelt)