Topo
Jamil Chade

Jamil Chade

Não quero saber se o baleado é bandido, diz médica brasileira em conflito

Jamil Chade

20/08/2019 04h00

Nadia Rudneckr. Juba – 2019. Foto: ICRC

 

A catarinense de 33 anos afirma que, depois de tratar de centenas de baleados no Brasil e de atuar com o SAMU em regiões pobres, não ficou chocada com o que viu no Sudão do Sul. Na África, assim como no Brasil, ela jamais perguntou de que lado estava o paciente que estava atendendo. "Se é bandido ou não, para mim, aquela pessoa é um paciente com uma necessidade. Não quero saber nada mais", diz.

 

GENEBRA – Quando um baleado chega a seu hospital, que serve de referência no Sudão do Sul, ninguém pergunta se o ferido é membro do governo, da guerrilha, da oposição ou de grupos rebeldes. A missão daquela médica de pele clara: salvar o paciente. Essa é a vida de Nadia Rudnick, a única mulher cirurgiã na equipe do Comitê Internacional da Cruz Vermelha, em Juba, capital do Sudão do Sul.

Por telefone ao UOL, ela relatou seu cotidiano e seus desafios. Nádia nunca tinha ido para a África e, em seu primeiro destino, acabou sendo enviada para um dos locais mais críticos hoje do continente.

Em poucas semanas, ela descobriu que os mesmos princípios que nortearam seu trabalho em salas de emergência em Porto Alegre, em Curitiba ou no SAMU eram os que se aplicam em uma zona de conflito armado. "Não interessa quem está ali sendo atendido. O que interessa é se há uma necessidade", disse.

Ela conta que, no Brasil, era confrontada com indagações sobre o fato de estar salvando a vida de um bandido ao receber aquelas pessoas baleadas nos centros de emergência. "Se é bandido ou não, para mim, aquela pessoa é um paciente que precisa de socorro, assistência ou ajuda. Não quero saber nada mais", disse a médica de 33 anos de São Bento do Sul (SC).

No fundo, esses são os princípios das missões humanitárias, área que Nádia escolheu, depois de sua faculdade em Curitiba e sua residência em Porto Alegre. Hoje, ela faz um mestrado sobre Ação Humanitária Internacional, em Dublin, para onde vai voltar depois de uma temporada em Juba.

7 milhões de pessoas com fome

No Sudão do Sul, a perspectiva de um período de paz nunca foi tão incerta como hoje. Em 2015, um acordo de paz foi fechado. Mas, menos de doze meses depois, ele havia sido abandonado. O resultado foi o deslocamento de mais de dois terços da população e a fome que passou a atingir 52% da população.

Em 2018, o presidente Salva Kiir e o líder da oposição, Riek Machar, chegaram a um novo acordo. Mas, um ano depois, não há qualquer sinal de avanço. Nadia precisa enfrentar um país destruído pela guerra, pela miséria e pela indiferença internacional. 7 milhões passam fome diariamente e a ONU conta com apenas 38% do orçamento que acredita ser necessário para dar uma resposta.

De acordo com a Unicef, 2,2 milhões de crianças não têm acesso à educação por conta dos conflitos. De cada quatro crianças, três só conheceram a guerra em suas vidas. Hoje, o Sudão do Sul não é apenas um dos países mais pobres do mundo. Mas também um dos que tem seu futuro mais incerto.

Nadia Rudneck. Juba – 2019.

 

Das favelas do Brasil à guerra no Sudão do Sul

Nádia conta que não ficou chocada com o que viu. Em sua etapa de residência no Brasil, recebia diariamente pessoas baleadas. Quando chegou a Juba e foi confrontada com a mesma realidade, uma vez mais foram os casos de baleados os mais frequentes. "Tinha toda a sequência dos procedimentos na cabeça", conta.

Se para médicos europeus um caso de um baleado pode ser algo não tão comum, a realidade era diferentes nos hospitais públicos pode onde passou Nádia no Brasil.

A pobreza também não a assustou. Por anos, uma de suas missões era entrar em vilas e favelas nas periferias das grandes cidades brasileiras.

Em Juba, sua equipe realiza entre cinco e seis cirurgias por dia, nem sempre nas melhores condições. Mesmo assim, os pacientes chegam de todas as regiões do país para serem socorridos. Alguns desembarcam nas mesas de operação dias depois de terem sido baleados ou atingidos.

Em Juba, ela não pode ir a qualquer lugar da cidade e nem sair a qualquer hora. O CICV estabeleceu um toque de recolher depois que o Sudão do Sul se transformou num dos locais do mundo com o maior número de vítimas entre os agentes humanitário.

Mas Nádia garante que se sente segura e, acima de tudo, realizada. "É uma sensação gratificante", completou.

Em poucas semanas, Nádia retornará para Dublin para acabar seu mestrado. Mas já planeja uma nova missão em algum canto marginalizado do mundo. Em sua cabeça não está apenas a sequência de procedimentos. Mas também quatro princípios fundamentais para assumir uma tarefa em alguns dos locais mais perigosos do planeta: neutralidade, imparcialidade, independência e, acima de tudo, humanismo.

 

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Com viagens a mais de 70 países, Jamil Chade percorreu trilhas e cruzou fronteiras com refugiados e imigrantes, visitou acampamentos da ONU na África e no Oriente Médio e entrevistou heróis e criminosos de guerra.Correspondente na Europa há duas décadas, Chade entrou na lista dos 50 jornalistas mais admirados do Brasil (Jornalistas&Cia e Maxpress) em 2015 e foi eleito melhor correspondente brasileiro no exterior em duas ocasiões (Prêmio Comunique-se). De seu escritório dentro da sede das Nações Unidas, em Genebra, acompanhou algumas das principais negociações de paz do atual século e percorre diariamente corredores que são verdadeiras testemunhas da história. Em sua trajetória, viajou com dois papas, revelou escândalos de corrupção no esporte, acompanhou o secretário-geral da ONU pela África e cobriu quatro Copas do Mundo. O jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparencia Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti.

Sobre o blog

Afinal, onde começam os Direitos Humanos? Em pequenos lugares, perto de casa — tão perto e tão pequenos que eles não podem ser vistos em qualquer mapa do mundo. No entanto, estes são o mundo do indivíduo; a vizinhança em que ele vive; a escola ou universidade que ele frequenta; a fábrica, quinta ou escritório em que ele trabalha. Tais são os lugares onde cada homem, mulher e criança procura igualdade de justiça, igualdade de oportunidade, igualdade de dignidade sem discriminação. A menos que esses direitos tenham significado aí, eles terão pouco significado em qualquer outro lugar. Sem a ação organizada do cidadão para defender esses direitos perto de casa, nós procuraremos em vão pelo progresso no mundo maior. (Eleanor Roosevelt)