Topo
Jamil Chade

Jamil Chade

"Tensões criam ambiente difícil", diz presidente da Assembleia Geral da ONU

Jamil Chade

2027-06-20T19:04:00

27/06/2019 04h00

Conselho de Direitos Humanos da ONU, em Genebra, se reúne nesta semana para tratar de crimes e violações

 

Alertando para risco de conflito, presidente da Assembleia Geral da ONU aponta que, "precisamente quando mais do que nunca precisamos de multilateralismo, a cooperação global está sendo posta em questão".

GENEBRA – Às vésperas da cúpula do G-20, a presidente da Assembleia Geral da ONU, María Fernanda Espinosa, alerta para o risco que representa o enfraquecimento da diplomacia internacional e aponta que o mundo precisa mais do que nunca da cooperação global.

"Não queremos repetir erros do passado, quando, por exemplo, a erosão da cooperação internacional levou a conflitos e, em última análise, à guerra", declarou a equatoriana, que havia já ocupado diferentes postos ministeriais em seu país.

Em entrevista ao blog, a espécie de "guardiã do multilateralismo" admitiu que se nota um claro "aumento do sentimento nacionalista, extremismo, abordagens unilaterais e ataques às leis e normas internacionais". "Mas o multilateralismo é mais vital do que nunca. Enfraquecê-lo ou colocá-lo em questão só gera instabilidade e perplexidade, desconfiança e polarização", disse. Para ela, não restam dúvidas de que "as tensões geopolíticas estão aumentando".

Durante a cúpula do G-20, em Osaka, no final desta semana, líderes testarão o sistema internacional diante da tensão no comércio e mesmo em assuntos militares. Eis os principais trechos da entrevista:

UOL – Por que a sra. acha que o multilateralismo está sob ataque?

María Fernanda Espinosa – Enquanto representante dos 193 Estados-Membros da Assembleia Geral das Nações Unidas, o meu papel é o de "guardiã do multilateralismo". Acredito profundamente nos valores e princípios universais consagrados na Carta das Nações Unidas. Estou convencida de que não há outra forma de enfrentar os desafios globais que não seja a cooperação internacional e uma ordem baseada em regras. No entanto, ouvimos, de tempos a tempos, críticas ao sistema multilateral, o que é preocupante, porque precisamos decididamente de liderança global, responsabilidade partilhada e ação coletiva para resolver com urgência os problemas atuais.

Em todo o mundo, assistimos à ascensão do populismo de direita. Apresentam um discurso de interesse nacional e de patriotismo. Será que isto é algo que o mundo deveria estar preocupado?

Os desafios globais estão mais interligados, mas as nossas respostas continuam fragmentadas. Há uma tendência pequena, embora barulhenta, para o nacionalismo, o isolacionismo e o populismo. Vemos em alguns quadrantes um aumento do sentimento nacionalista, extremismo, abordagens unilaterais e ataques às leis e normas internacionais. Mas o multilateralismo é mais vital do que nunca. Enfraquecê-lo ou colocá-lo em questão só gera instabilidade e perplexidade, desconfiança e polarização. É mais que tempo de trabalharmos juntos para o bem da humanidade e para o bem-estar de todos os povos, sem exceções.

Quais podem ser as consequências de um sistema multilateral fraco?

O mundo de hoje tem enfrentado desafios tremendos. A desigualdade se aprofundou. A mudança climática avançou. A crise dos refugiados aumentou.

Muitas pessoas, setores e regiões sentem que estão sendo deixados para trás. As tensões geopolíticas estão aumentando e os conflitos na África, no Oriente Médio e em outras partes do mundo continuam a provocar mortes e destruição. Estas tendências e desafios produziram uma crise de confiança nos governos e nas instituições.

Isto está criando um ambiente internacional difícil para as decisões que temos de tomar. Precisamente quando mais do que nunca precisamos de multilateralismo, a cooperação global está sendo posta em questão. Não queremos repetir erros do passado, quando, por exemplo, a erosão da cooperação internacional levou a conflitos e, em última análise, à guerra.

A ONU é capaz de dar uma resposta aos que questionam o sistema?  São necessárias reformas?

Acredito que a ONU está apresentando resultados. Ela poupou a humanidade do flagelo da guerra e evitou um grande conflito mundial. Contribuiu grandemente para a resolução pacífica de conflitos através da mediação, da prevenção de conflitos e da manutenção da paz. Também promoveu a proteção dos direitos humanos e implementou a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. Mas, evidentemente, precisamos melhorar o nosso desempenho.

Precisamos de uma organização que se concentre nas pessoas, especialmente naqueles que se sentem deixados para trás, nos países mais vulneráveis. Precisamos de um multilateralismo inclusivo que estreite os laços com a sociedade civil e outros atores, uma ONU revitalizada, menos burocrática, mais orientada para a ação e focada em resultados. E é isso que tenho tentado fazer durante o meu mandato como presidente da Assembleia Geral.

Sobre as mudanças climáticas, a Amazônia está sendo protegida corretamente? 

A Floresta Amazônica atua como "pulmão da terra". Ela desempenha um papel importante na atual crise climática: embora cerca de 30% das emissões de carbono sejam provenientes da queima de florestas tropicais, é importante notar que cerca de 30% da solução, especificamente de mitigação, vem de soluções baseadas na natureza, incluindo florestamento e reflorestamento.

O que precisamos agora é de uma mudança de mentalidade de uma perspectiva puramente moral ou ética para a preservação da floresta tropical, para uma de oportunidade para a ação climática. Analisar a forma como a ação climática pode apoiar os objetivos de desenvolvimento sustentável de forma mais ampla pode ajudar-nos a dimensionar as iniciativas.

O relatório do Programa da ONU para o Meio Ambiente sobre o déficit de emissões indica que precisamos de três a cinco vezes o nível de ambição global para cumprir os nossos compromissos multilaterais.

Isto não pode ser implementado apenas a nível global. As iniciativas regionais, nacionais e locais são essenciais e temos de aumentar a ambição a todos os níveis. A juventude, em particular, está impulsionando este movimento, e temos muito a aprender com as comunidades indígenas, dado o seu conhecimento e sabedoria sobre "soluções baseadas na natureza".

A sra. está preocupada com as últimas medidas de Bolsonaro relacionadas à Amazônia e às mudanças climáticas?

O Brasil tem desempenhado historicamente um papel fundamental para fortalecer os fóruns multilaterais tanto no combate às mudanças climáticas quanto na proteção ambiental. Por isso, contamos plenamente com a liderança e o compromisso contínuos do Brasil no apoio à implementação de acordos de Desenvolvimento Sustentável, como o Acordo de Paris e a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

Sobre o autor

Com viagens a mais de 70 países, Jamil Chade percorreu trilhas e cruzou fronteiras com refugiados e imigrantes, visitou acampamentos da ONU na África e no Oriente Médio e entrevistou heróis e criminosos de guerra.Correspondente na Europa há duas décadas, Chade entrou na lista dos 50 jornalistas mais admirados do Brasil (Jornalistas&Cia e Maxpress) em 2015 e foi eleito melhor correspondente brasileiro no exterior em duas ocasiões (Prêmio Comunique-se). De seu escritório dentro da sede das Nações Unidas, em Genebra, acompanhou algumas das principais negociações de paz do atual século e percorre diariamente corredores que são verdadeiras testemunhas da história. Em sua trajetória, viajou com dois papas, revelou escândalos de corrupção no esporte, acompanhou o secretário-geral da ONU pela África e cobriu quatro Copas do Mundo. O jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparencia Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti.

Sobre o blog

Afinal, onde começam os Direitos Humanos? Em pequenos lugares, perto de casa — tão perto e tão pequenos que eles não podem ser vistos em qualquer mapa do mundo. No entanto, estes são o mundo do indivíduo; a vizinhança em que ele vive; a escola ou universidade que ele frequenta; a fábrica, quinta ou escritório em que ele trabalha. Tais são os lugares onde cada homem, mulher e criança procura igualdade de justiça, igualdade de oportunidade, igualdade de dignidade sem discriminação. A menos que esses direitos tenham significado aí, eles terão pouco significado em qualquer outro lugar. Sem a ação organizada do cidadão para defender esses direitos perto de casa, nós procuraremos em vão pelo progresso no mundo maior. (Eleanor Roosevelt)