Topo
Jamil Chade

Jamil Chade

Pressionada, Vale sai de pacto mundial de responsabilidade social

Jamil Chade

2029-05-20T19:04:43

29/05/2019 04h43

 
GENEBRA – Pressionada por entidades brasileiras e internacionais por conta dos desastres em Brumadinho e Mariana, a Vale não faz mais parte do Pacto Global da ONU, a maior iniciativa ambiental e de responsabilidade social entre o setor privado do mundo.

No site da iniciativa, a mineradora brasileira já aparece como fora da iniciativa, uma decisão que foi tomada no início de maio e oficializada nesta semana.

O Pacto foi criado em 2000, como uma tentativa do então secretário geral da ONU Kofi Annan de envolver o setor privado e executivos de grandes multinacionais a adotar práticas de negócios baseadas em princípios de direitos humanos, trabalhistas, ambientais e de combate à corrupção.

Ao longo dos anos, o Pacto passou a ter 13 mil signatários que, para levar o selo da ONU, se comprometem com os dez princípios ambientais, sociais e de direitos humanos. As empresas também precisam prestar contas de suas atividades por meio de relatórios frequentes. Ao longo dos anos, cerca de 800 empresas e fundações brasileiras passaram a fazer parte da iniciativa.

Existem, porém, apenas duas formas de uma uma empresa ser expulsa. Uma delas é se a direção da companhia admitir uma violação de direitos humanos ou de suas obrigações sociais. A segunda forma é se houver uma decisão legal apontando para tal violação.

No caso da Vale, a informação de ongs e ativistas é de que a saída foi uma decisão da própria companhia. Oficialmente, o site do Pacto da ONU indica que foi a empresa brasileiro quem solicitou sair.

A decisão, porém, vem depois que um grupo internacional de entidades solicitaram a exclusão da empresa do Pacto, depois do rompimento da barragem de rejeitos minerais em Brumadinho (MG), ocorrida em 25 de janeiro e que deixou cerca de 170 pessoas mortas, além de dezenas de pessoas desaparecidas e desabrigadas.

As entidades incluíram nomes como a Conectas Direitos Humanos, International Federation for Human Rights), Global Justice Clinic of the New York University, Greenpeace Brasil, o Movimento dos Atingidos por Barragens), MiningWatch Canada e outras.

Em documentos apresentados à secretaria da iniciativa, as organizações alegaram que a Vale "descumpriu os princípios estabelecidos pelo Pacto sobre uma série de direitos, entre eles, humanos, trabalhistas e ambientais, por não realizar uma avaliação adequada dos riscos, não tomar as medidas de prevenção e mitigação necessárias e por falhar em adotar medidas de não repetição após o rompimento da barragem de Mariana (MG), em 2015".

"O desastre de Brumadinho mostra que a Vale favorece o lucro em detrimento da segurança como padrão de conduta operacional", alegam as entidades em sua denúncia. "Foi necessário o colapso fatal de outra barragem, implicando em sofrimento humano e destruição ambiental imensuráveis para que a Vale anunciasse a decisão de desativar as arriscadas barragens a montante, construídas com tecnologia obsoleta", complementam.

De acordo com a denúncia, a Vale empregou extensos recursos políticos e financeiros para bloquear a responsabilização jurídica pelo primeiro desastre de Mariana. A empresa adotou um discurso de compromisso com os mais altos padrões de responsabilidade social corporativa, mas não reavaliou seu modelo de negócio, seus processos e políticas para evitar novas catástrofes.

"Tal método de fazer negócios está em conflito com os princípios e o espírito do Pacto Global", afirmam as entidades. "A Vale deve arcar com as consequências por não ter conseguido evitar que um desastre tão ultrajante ocorresse apenas três anos após o rompimento da barragem de Mariana."

Sobre o autor

Com viagens a mais de 70 países, Jamil Chade percorreu trilhas e cruzou fronteiras com refugiados e imigrantes, visitou acampamentos da ONU na África e no Oriente Médio e entrevistou heróis e criminosos de guerra.Correspondente na Europa há duas décadas, Chade entrou na lista dos 50 jornalistas mais admirados do Brasil (Jornalistas&Cia e Maxpress) em 2015 e foi eleito melhor correspondente brasileiro no exterior em duas ocasiões (Prêmio Comunique-se). De seu escritório dentro da sede das Nações Unidas, em Genebra, acompanhou algumas das principais negociações de paz do atual século e percorre diariamente corredores que são verdadeiras testemunhas da história. Em sua trajetória, viajou com dois papas, revelou escândalos de corrupção no esporte, acompanhou o secretário-geral da ONU pela África e cobriu quatro Copas do Mundo. O jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparencia Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti.

Sobre o blog

Afinal, onde começam os Direitos Humanos? Em pequenos lugares, perto de casa — tão perto e tão pequenos que eles não podem ser vistos em qualquer mapa do mundo. No entanto, estes são o mundo do indivíduo; a vizinhança em que ele vive; a escola ou universidade que ele frequenta; a fábrica, quinta ou escritório em que ele trabalha. Tais são os lugares onde cada homem, mulher e criança procura igualdade de justiça, igualdade de oportunidade, igualdade de dignidade sem discriminação. A menos que esses direitos tenham significado aí, eles terão pouco significado em qualquer outro lugar. Sem a ação organizada do cidadão para defender esses direitos perto de casa, nós procuraremos em vão pelo progresso no mundo maior. (Eleanor Roosevelt)